Madrugada

Nesta madrugada, em que o sono não se apodera de mim, comtemplo mais uma vez o céu e repraro que todas aquelas estrelas que vagueiam, como se de vagabundos se tratassem, são anjos que flutuam no azul perfeito.

Faço-me refém da minha memória e relembro todos os momentos em que construímos um pouco mais do nosso castelo, que não se assemelha aqueles que as crianças tanto sonham. Apenas é um castelo feito de muralhas para que possamos sentir uma paz que está para além das palavras

De quando em quando, o sol embebeda as nunvens com tons do entardecer, outros o silêncio dos teus passos ecoa no mais profundo do meu ser, mas acima de tudo sei que nunca deixei de voar nas asas de um daqueles anjos que bruxeleiam agora na suave madrugada.

Por vezes, as asas que me desenhaste queimam-se, no entanto, nunca se derretem e aí sei que te guardarei no mais íntimo de mim.

O sol acabou ,agora, de se vestir e uma suave brisa abraça o meu corpo trazendo-me a certeza de que estamos unidos, mesmo que distantes.

 

 

 

Edit:

Em breve deixarei de vir cá tão regularmente.

Talvez actualize aos fins de semana :)

publicado por Morgen às 10:10 | link do post | comentar